17 setembro 2009

Artificialidade X Individualidade

Para ilustrar um pouco algumas questões a serem levantadas, imagine o caso em que eu pudesse pegar uma pequena parte do meu cérebro e substituir por uma parte em mesma porção, e com as mesmas funcionalidades, de um cérebro eletrônico artificial. Ainda, imagine que eu pudesse pegar todas as informações que estavam na parte biológica e pudesse transferir para esta nova parte artificial. De certa forma, eu ainda teria as lembranças que eu teria perdido caso não pudesse fazer essa transferência. Logo, isso não afetaria a minha consciência e lembranças, ou afetaria?

Agora, imagine que eu fosse substituindo lentamente e gradativamente o meu cérebro por partes eletrônicas até que todo o meu cérebro fosse artificial. Ainda seria eu? E se não fosse, eu teria morrido e um outro eu teria assumido o meu lugar? Ele acharia que era eu por ter as mesmas lembranças, conhecimentos e forma de agir que eu?

O segundo caso está relacionado com a idéia do livro de Briggs (1989) que diz que "a cada ano, 98% dos átomos do nosso corpo são substituídos". Então eu, agora, ainda sou o mesmo do ano passado? ou será que sou outra pessoa com as memórias da pessoa que eu era a um ano atrás e que acha que eu sou a mesma pessoa porque ainda tenho as lembranças como se eu mesmo as tivesse vivenciado?

Ambos os casos, o do cérebro artificial e o da substituição dos átomos, não são parecidas?

REFERÊNCIAS
Briggs, J.; Peat, F.D.; Tavernise, C. Turbulent mirror: An illustrated guide to chaos theory and the science of wholeness. Harper & Row New York, 1989.

4 comentários:

Leandro disse...

Essa definição Geek vs. Nerd é coisa de Geek!!! hahahah

Abraços

Bianca Ladyhawke disse...

Olha quem eu achei aqui por acaso!! Lembra de mim? Eu morava na Bolivia quando a gente se falava mais, heheh bjs

Bianca Ladyhawke disse...

É no facebook, o orkut eu não tenho mais, ehhee mas tenho o msn tb!! Viu como esse mundo é pequeno? beijão

Hesse e Romero disse...

Tenha medo, tenha muito medo das coisas que o Saulo escreve! hahahahaha. Beijos!